17/11/2017 - 21h47
Por Assessoria de Comunicação SESAPI - secsaudepi@gmail.com

Mutirão de cirurgias eletivas reduz fila de espera para pacientes de todo o Estado

Cerca de 2.000 pessoas serão beneficiadas

Tamanho da fonte  
Albano Amorim Mutirão de cirurgias eletivas reduz fila de espera para pacientes de todo o Estado Senhor João Batista sendo atendido

O que senhor João Batista Sousa de 65 anos e Arandi José de Oliveira de 70 anos, tem em comum é uma espera de mais de seis meses para realização de uma cirurgia de hérnia. João Batista trabalha na roça e acredita que seu problema começou com um acidente de trabalho, a ponta da aste de um arado bateu com força em sua barriga. De lá para cá, são alguns anos de dores, consultas, remédios, mas nada de resolver o problema.

Arandi Oliveira já não lembra muito como começou, pois esta será sua quarta cirurgia e a retirada da hérnia já foi realizada duas vezes mas, segundo ele, não foi implantada uma tela, um procedimento que impede a hérnia de voltar a crescer. A felicidade do senhor Arandi é que a diretora do hospital garantir que a tela será implantada “ quando ligaram lá pra casa, eu perguntei logo se nesta cirurgia iam colocar a tela, se não, eu nem viria, mas me garantiram que vão. Então além de ter sido chamado para fazer logo, ainda será com o implante da tela” afirma aliviado.

Os dois pacientes receberam a ligação telefônica da central de regulação da secretaria municipal de saúde na semana passada e não acreditavam que a espera de seis meses acabaria neste sábado, aqui no hospital da própria cidade, “não foi nem eu, foi a mulher quem recebeu a ligação, ela é quem cuida disso lá em casa. Eu fiquei meio nervoso na hora, mas cheguei cedo, é sinal que o sofrimento vai acabar, se Deus quiser” avalia.

 

 

Senhor Arandi aguardando sua vez no atendimento 

A história de João Batista e Arandi retrata a situação de muitos pacientes que esperam meses por uma cirurgia e que no atendimento normal da rede de assistência hospitalar, aí é onde está a eficácia do projeto dos mutirões, como explica a diretora do hospital, Maria Santana Andrade “o ideal seria que nossos hospitais atendessem toda a demanda, em curto espaço de tempo, mas nem sempre é possível. Os mutirões são uma convergência de esforços, recursos humanos, equipamentos e pacientes já devidamente triados, assim a gente consegue atender uma quantidade maior de pessoas aproveitando todas as condições que o projeto oferece” avalia.

O projeto do Mutirão de Cirurgias Eletivas deve atender, até dezembro deste ano, cerca de 2 mil pacientes com um investimento estimado em 3,8 milhões de reais, além de recursos investidos em equipamentos que fortaleceram a capacidade de atendimento dos hospitais no Estado.

 

Maria Santana, diretora do Hospital

Por: Albano Amorim 


Comente!


19/02/2018 as 16:37h

Neurocirurgia em Floriano reduziu 50% das transferências para Teresina

Serviço completou um ano de implantaçãol no sul do Estado 

19/02/2018 as 12:29h

Hospital de Luzilândia inaugura ampliação do centro cirúrgico

Além de receber equipamentos do Renova Saúde é uma ambulância

18/02/2018 as 10:02h

Trabalho da Evangelina volta a ser destaque em rede nacional

Nos últimos seis meses a maior Maternidade pública do Estado já foi notícia nacional três vezes

18/02/2018 as 09:58h

Hospital de Luzilândia recebe equipamentos e autorização para iniciar licitação da reforma  

Com os novos equipamentos, o Hospital vai realizar procedimentos de alta complexidade

16/02/2018 as 15:11h

Piauí mantém redução de casos de dengue

Dados apontam redução de 34,5% dos casos

16/02/2018 as 12:39h

HGV realiza mutirão ortopédico neste sábado (17)

Os mutirões em diferentes áreas médicas já beneficiaram cerca de 3.050 pessoas.